Sites Grátis no Comunidades.net
ENQUETE
QUAL TECNOLOGIA É MAIS IMPORTANTE NA ESCOLA?
PROINFO
PARANA DIGITAL
TV 'LARANJA' SALA DE AULA
TABLET AOS PROFESSORES
TV PAULO FREIRE
DATA SHOW
LOUSA DIGITAL
DVDs
Ver Resultados






Partilhe este Site...

Veja
Não diga que a canção está perdida
Tenha fé em Deus, tenha fé na vida
Tente outra vez

Beba
Pois a água viva ainda está na fonte
Você tem dois pés para cruzar a ponte
Nada acabou, não não não não

Tente
Levante sua mão sedenta e recomece a andar
Não pense que a cabeça agüenta se você parar,
não não não não
Há uma voz que canta,
uma voz que dança,
uma voz que gira
Bailando no ar

Queira
Basta ser sincero e desejar profundo
Você será capaz de sacudir o mundo, vai
Tente outra vez

Tente
E não diga que a vitória está perdida
Se é de batalhas que se vive a vida
Tente outra vez


Link: http://www.vagalume.com.br/raul-seixas/tente-outra-vez.html#ixzz2k0W3PSyd

Crônica do pedágio

            Juvenal seguia para a praia de Guaratuba e parou na Praça de Pedágio. Olhou para a cobradora e disse:

            - Eu não tenho dinheiro.

            - Como?

            - Eu não tenho dinheiro!

            - Então o Senhor não pode passar.

            - Como não posso passar?

            - O Senhor, sendo motorista, deve saber que o pedágio é obrigatório nessa estrada.

            - Sim, eu sei. Mas eu não tenho nenhum dinheiro e preciso ir até a praia.

            - Como o Senhor vai até a praia sem nenhum dinheiro?

            - O único dinheiro que tinha gastei em combustível.

            - Então o Senhor aguarda um instante que um funcionário da concessionária vai atendê-lo.

            - Sim Senhora!

            Logo chegou o funcionário e disse-me:

            - A cancela vai abrir, o Senhor estaciona naquele canto.

            - Tudo bem!

            Atravessei a cancela e estacionei no canto ordenado.

            Logo apareceu mais um funcionário e passaram-me a interrogar.

            - Senhor, o pagamento de pedágio é obrigatório e nenhum carro pode passar sem pagar a taxa.

            - Eu sei que é obrigatório, mas eu não tenho dinheiro.

            - Então, lamentavelmente, o Senhor terá que retornar.

            - Só porque não tenho dinheiro pra pagar o pedágio?

            - Sim Senhor!

            - Lamentavelmente, eu não posso retornar. Tenho uma hora pra chegar até Guaratuba.

            - Se o Senhor transportasse uma pessoa doente ou houvesse algo grave que pudéssemos ver, deixaríamos o Senhor passar.

            - Pois bem! Felizmente não transporto nenhuma pessoa doente e graças a Deus não há nenhum problema grave, nem com minha pessoa nem com meu automóvel. O único problema é que não tenho dinheiro para pagar o pedágio.

            - Se o Senhor vai para praia, como poderá se divertir sem nenhum dinheiro.

            - A diversão é opcional e têm muitas alternativas de diversão na praia.

            - Mas o Senhor teve que encher o tanque do carro. Fez isso sem dinheiro?

            - Não! Mas pude escolher o posto de gasolina mais barato e economizar.

            - Olha Senhor, quem não tem dinheiro não vai a praia.

            - Negativo. A praia aceita todas as pessoas. As que têm e que não tem dinheiro.

            - Quero dizer, Senhor, que pra ir á praia é preciso ter dinheiro para cobrir alguns gastos obrigatórios, por exemplo, o pedágio.

            - Sim, mas todos os gastos me apresentam alternativas de escolha e formas de pagamento... Queria ir por outro caminho, mas o único que existe é esse.

            - Lamento, mas o Senhor terá que retornar!

            - Eu não posso retornar, tenho que seguir até a praia.

            - Então terei que chamar a Polícia.

            - Acho melhor!

            Tomei um cafezinho de uma garrafa térmica, e depois de um tempo chegou uma viatura da Policia Rodoviária, com dois policiais.

            - O que se passa?

            - Esse cidadão vai a praia e não quer pagar o pedágio. Ele já afirmou que não há ninguém doente no carro e não tem nenhum problema aparente que justifique a isenção da taxa.

            - Porque o Senhor não que pagar?

            - Porque não tenho nenhum dinheiro.

            - Mas o Senhor sabe que a taxa de pedágio é obrigatória e o não pagamento pode implicar em multa.

            - Sim, eu sei. Mas eu não tenho nenhum dinheiro, tenho que chegar a praia e este é o único caminho por onde posso ir.

            - Sabia que poderíamos prendê-lo?

            - Mas, e as outras pessoas que estão no carro. Também serão presas?

            - ficariam detidas?

            - Só porque não tenho nenhum dinheiro?

            - Não! Porque o Senhor se omite em pagar a taxa obrigatória.

            - Senhor guarda! O dinheiro que tenho está contado. Um tanto pra comida, outro pra bebida, outro para o combustível de volta.

            - Porque não contou com a parte do pedágio?

            - Porque as despesas que citei são necessárias e posso escolher o valor e o local de adquiri-las!

- Pois bem, o pedágio é uma lei e o Senhor terá que cumpri-la. Senão terei que multá-lo.

O funcionário perguntou:

            - Senhor guarda. E quem vai pagar a taxa de pedágio?

            - Se ele não tem dinheiro, nada posso fazer. Só posso multá-lo.

            Perguntei:

            - Qual a infração que cometi, Senhor guarda?

            - Desrespeito a lei.

            - Senhor policial. Toda lei é obrigatória mas apresenta alternativas para cumpri-las.